A ESTRADA E OS TALENTOS.

Pela estrada que escolhi caminho, muitas vezes sem saber onde vou chegar, sem notar o que por mim vai passar, porque estou tão atarefado em cumprir com minhas obrigações que não me dou conta das possibilidades a minha frente, do que pode melhorar minha trajetória por esta estrada, sou cego então a possibilidades, apenas faço o que tenho de fazer, cumpro meu carma sem perguntar e sem querer saber do porque é assim, e vou indo pela minha estrada.

Sou andarilho pela estrada da vida, não me interessa o que aconteça a quem estiver à margem de minha estrada, não tenho vontade de ajudar quem pede, porque só vai atrasar minha caminhada, terei de parar para outro ouvir em suas lamurias, não me importo se alguém em minha estrada cair, se passar por esta pessoa ela estará para trás imediatamente e a minha frente somente o horizonte que tenho de vencer, e após ela a paz.

Sou eremita em minha estrada, procurando crescimento e não querendo nada além disso, não procurando sabedoria paralela, não me importando com o que está acontecendo ao meu redor, sou um sábio em minha estrada.

Porém o andarilho não sabe que sua estrada tem muitas encruzilhadas, e se ele nunca souber identificar estas, não chegará a seu destino nunca, e jamais terá paz, porque não soube aliviar lágrimas de ninguém, apenas sua tarefa que viu como obrigatória, apenas seus obstáculos a vencer e se alguém se tornar um obstáculo, ao invés de compreender solucionando, simplesmente pula e deixa para trás.

Tudo nesta nossa estrada da vida é crescimento, nossa caminhada para o horizonte, pessoas e situações a perturbar enquanto desta caminhada, nossas verdades que temos de pensar e entender, não simplesmente andar sem parar, não apenas fazer o combinado, o carmicamente exigido, isto é o escravo que recebeu um só talento e nada fez para que este se multiplica-se, nada fez para que sua missão na terra fosse acrescida de crescimento espiritual, é o escravo que nada tinha e perdeu mais ainda; é o andarilho que nada fez e que nunca chegará ao horizonte sonhado.

O andarilho que para e atende aos que em sua estrada pedem auxilio; é o escravo de três talentos, que procurou entender suas provações e soluciona-las, procurou prosperar em seu carma, e multiplicou os talentos a seu senhor, é o andarilho que não fez o que deveria, e o mestre lhe perdoou por tão poucos talentos aumentados.

Se o andarilho procura-se entender de quem cai a sua frente, ou deixa sua caminhada para atender a outros que precisam encontrar a própria estrada, este seria o escravo dos cinco talentos que prosperou sua quantia em três vezes.

O andarilho é então um sábio, soube pegar o que tinha, seus conhecimentos e seu carma foi enriquecido com o carinho e caridade que prestou, indo de encontro aos que necessitavam, sua caminhada ao horizonte irá demorar mais, porem terá certeza de chegar, arrecadou a seu senhor muito mais do que lhe foi deixando, e o carma do andarilho foi enriquecido e anulado em muito do que tinha de pagar, em verdade somos andarilhos nesta existência, e depende de nós fazer os talentos que Deus nos deu se multiplicarem ou não, se fizermos seremos agraciados com um carma mais rico, um existência mais prospera no futuro e até menos sofrida nesta passagem, se não vingarmos os talentos a nós dados, nos será tirado até o que não temos, nossa compreensão da vida espiritual, nosso entendimento de quem é Deus; em verdade é nossa recompensa por sermos escravos inúteis, e nossa recompensa será em muito mais sofrimento do que teríamos direito.

Related articles