JESUS EXPLICA O EVANGELHO. parte 5

pçogli;oh

Ao vinho que lhe ofereci após tantos outros teres tomado; apreciaste por ser o mais puro deles, sois sábio em experimentar de todas as formas de se aproximar de Deus, porem ao sentir que só em ti podes encontra-lo saberás que é o sabor mais raro, mais perfeito e mais completo de todos os vinhos; o Criador em nós habita, porem desejas e estas certo em tentar outros locais para encontra-lo, para saber de outras faces do Pai, porem a sua face é única e individual a cada ser, e enquanto não experimentar deste verdadeiro néctar de verdade não aceitará totalmente outras faces e sabores da sabedoria divina.
Somos a perfeita morada do Pai, a própria criatura que ele deu vida, e só este que habita em nós pode individualmente nos suprir com o vinho de sabedoria mais saboroso; pode nos completar no alimento a nosso crescimento.
O trabalhar na vinha de Deus é assumir sua espiritualidade, o entender que não importa quanto tempo se vai trabalhar nesta encarnação, mas que tem de ser da melhor maneira; pois na parábola três grupos trabalharam tempos diferentes, porem receberam a mesma recompensa, a liberdade da compreensão de suas verdades, a vida eterna que a eles se achegou com o tempo de labuta; trabalhar na vinha do Senhor é assumir sua espiritualidade, sua missão como espiritualista que somos, ou num local de espiritismo, ou evangelismo, porque Deus em verdade em todos os lugares está, e têm-se que compreender que se o local não é de sábios crescimentos, é porque os que ali estão, necessitam de algum entendimento do não crescimento espiritual, e para isto ao fundo do poço das verdades absolutas têm de chegar um dia, como todos nós o fizemos num momento passado desta ou de outra encarnação.
Ao me declarar rei, e que meu reino não era daqui, coloquei-me a mercê dos poderosos que no receio de perderem o poder da palavra sobre os que nada entendiam; colocaram-me na cruz por ser mais um que afrontou seus saberes, o que acontece em todos os tempos da historia; os coloquei temerosos de suas verdades que só eles acreditavam que em meu reino todos entendem da palavra e ninguém é superior a ninguém, que todos são realmente iguais perante Deus, e o poder materialista não reina em lugar algum, somente o poder divino, que todos tem seu quinhão, que todos compartilham, mas não se aperceberam desta verdade.
Sou o rei no reino que aqui não tem sua morada matéria; sou o mestre onde só os sábios podem me ver como tal; sou o sábio onde só os verdadeiros espiritualistas aceitam.
Sou o que sou, o tudo ou o nada dentro do conceito de cada ser, pois o Pai assim decidiu quando do livre arbítrio a todos deu.
Ao possuído que a mim foi levado e deste tirei Demônio, sabendo ele que mais sete virão se não colocar para morar em seu coração ao Cristo; a este tenho a dizer que sois vós que mantem o Demônio fora de si, e não ele que volta porque assim deseja; vós que permite e dá força a este, sois vós que o faz existir e somente tu que pode evitar a tomada de seu corpo por ele. Ao novo morador que com certeza não estava lá, que é o Cristo este novo morador, não deixaria que o Demônio lá estivesse, pois Ele não tem poderes sobre esta morada que é seu corpo; porque assim não permitiste a ele tais poderes, então o Demônio que em ti habitava pode voltar por não haver um real poder, não haver real entrega de si a quem verdadeiramente pode mantê-lo afastado. O Cristo nada pode fazer por ti se não lhe der permissão para adentrar seu corpo e coração, e desta forma quem vier de pior tem total direito de lhe tomar como morada junto com seus amigos que com ele vier.
É de um tudo que sou; o que vim para dizer e ser ouvido muito depois de minha partida; fazer para ser compreendido apenas pelos que realmente em verdade individual se entregam, estou para provar e provocar o que muitos ignoram, para mostrar e não mais ocultar as coisas que estão para serem vistas, porem ocultadas estão pelos que se tornarão donos da verdades que nem minhas são, são do mundo, são de todos.
Sou a paz, mas também a guerra entre os que não se aceitam, sou os dogmas e também os desejos dos que querem a liberdade de suas emoções; e principalmente o que ninguém acredita eu ser, parte de vocês.
O Cristo que é centelha divina e a todos os corpos pertence; em todas as mentes habita; em todas as verdades constantes.
Sou o que deveria ser, e com o tempo será.
A verdade absoluta.

Quero voltar a confiar.

cropped-cropped-michelangelo.jpg

Quero ter respeito, paz, confiança, crer que o dia de amanhã será melhor que hoje, entender que ontem não fui sábio o suficiente, que não entendi o quanto deveria.
Saber por que não fui terno o bastante.
Ou até sábio para entender o porquê de hoje ser desta forma.
Figura indeterminada em planos a realizar, em ideias a compreender e até mesmo respeito a merecer.
Atuo de forma intransigente, até inclemente com quem não merece.
Porem e minha forma de ser, de me fazer existir.
Errado estou?
Sim, sei que estou.
Mas fazer o que, se meu tempo de amadurecer já cessou.
Hoje adulto ignorante tornei-me, insuportável ser que todos tem de conviver.
Entendo que muitos não me suportem; não me querem perto.
Pois também detestaria quem fosse assim, tão mesquinho no desejar.
Pessoa de índole duvidosa sei que sou, nem sei por que sou também.
O que aconteceu comigo?
Perdi parte da minha vida ouvindo quem não deveria?
Quem nada de bom à minha vida somaria?
Acredito que sim, naquela amizade que me ensinou só maldade.
Não sabia reprova-lo, ou reusá-lo em suas atitudes.
O que ganhei foi ficar igual a ele, inconsequente, ignorante.
Pertenço hoje ao mundo dos irresponsáveis, dos intransigentes e inconsequentes.
Porem sinto-me diferente do que sou.
Um avesso de mim mesmo, não me aceito apesar de ser assim.
Talvez um dia compreenda em que esquina da vida me perdi.
Que estrada correta deveria ter transitado.
E amizade indevida evitado.
Até lá terei de me suportar; e as criticas de outros à minha pessoa.
Já orei para um caminho do bem voltar.
Mesmo sabendo que isso pode não acontecer, nem existir.
Porem sou insatisfeito com minha maneira de ser, de viver, de me aguentar.
Mas me falta motivação.
Encontrar uma solução, até mesmo uma explicação.
Então continuo neste despertar do ódio alheio com minhas atitudes.
Insuportáveis brincadeiras e maneira escusa de ganhar a vida.
Disseram-me procure Deus, procure a virgem Maria.
Que tolice, isso não existe.
Se estes existem não me deixariam por esta trilha prosseguir, por este caminho sujo enveredar.
Mas mesmo assim sei que algo neste mundo de grande está a governar.
Já imaginei ser eu um ateu.
Meus pais ensinaram que Deus existe.
Mas então porque assim fiquei?
Mesmo sabendo orar?
Mesmo acreditando naquele tempo em Deus e outras coisas?
Fui abandonado por Ele?
Fui esquecido por mim?
Ou tudo é forma de punir pelo que num sei se fiz?
De qualquer forma desaconselho a todos que não sabem de seu futuro, trilharem caminhos que desconhecem se forem levados por “mãos amigas”.
Posto que uma destas “mãos amigas” me trouxe até este mundo, de escuridão, de perdição, e como sair daqui não sei, porque esta “mão amiga” me abandonou quando viu ser eu inútil a ele.
O algo que se acredita, que só critica quem conhecemos e nos promete tudo da vida, só nós que acabamos com a vida.
Se em minhas orações de criança ainda estivesse me entregando até hoje, nada disso passaria; nada me tentaria, e tenho certeza que minha existência seria de gloria a mim, e a meus pais.

Religiões

kuyfkuy

Hoje, no mundo, existem centenas de religiões, dogmas e filosofias ligadas à fé: qual delas é a mais importante, a mais séria, a que realmente nos leva a Deus?
Perguntas assim ninguém faz, e quando a faz percebe que não sabem o que dizer; seguir lideres espirituais que muitas vezes pregam o que eles acham, o que percebem; muitas vezes visando lucro; infelizmente este acabou sendo uma fonte lucrativa, vender de forma mascarada a salvação, coisa que nunca se conquistou monetariamente.
Mas precisamos dar vazão a nossa fé, ela é fonte imanente de energia, é preciso ser canalizada, precisa ser direcionada para as alturas, onde tudo acontece. Mas como fazê-lo, como dirigir ao Pai, nossas preces?
Disse Jesus, o Pai sabe de tudo que precisamos, mas é preciso pedir; pedir porque; pra que; se ele sabe?
Então ele pode fazer sem pedirmos para evitar nossa aflição de talvez não conseguir.
A resposta é lógica, se precisamos de algo, e alguém pode nos ajudar, devemos ser humildes, ou deixar nossos sofrimentos mostrarem nossas necessidades.
Analiticamente os dois processos funcionam; o “precisamos” mostrar nosso crescimento através do desligar o egoísmo, pois o humilde não é egoísta, sabe que precisa e assume esta necessidade perante o mundo, deixa de ser egoísta; o verdadeiro humilde não aproveita esta para tirar vantagens, pois assim estaria tomando mais um pecado; recebendo ajuda assim de nada adianta, porque ele vem pelo enganar e não tem respaldo divino.
O mostrar a necessidade é também humildade, não esconder ou tentar camufla-las é orgulho, egoísmo, superioridade de algo que não tem.
Pedir a Deus mesmo sabendo que ele saiba do que precisa, é mostrar ser humilde, que merece o beneplácito do Pai, a partir daí se for um pedido sincero, haverá uma conspiração astral para que se realize o pedido, muitas vezes as coisas não acontecem como desejamos, mas tenhamos certeza, sabemos do que achamos que precisamos.
Mas só Deus sabe de nossa necessidade; a posição de humildade transmite que esperamos do Pai a solução mais sábia para nosso problema, que estamos aceitando vindo dele a solução que embora estranha a nosso entendimento nos levará ao crescimento e aprendizado.
Religião, do latim religare (religar) é, ou deveria ser a escola onde aprenderíamos a pedir ao Pai aquilo que ele sabe precisarmos, e entender sua maneira de agir.
Porem muitas vezes não encontramos tal respaldo, a escolha de um oráculo para uso não é feita por nós, e sim o oráculo que nos escolhe, porque apesar de ser uma matéria morta que ali está, contém conhecimentos de grande valia, que só nós compreendemos, ou seja, ele existe à nossa frente porque é dele que precisamos.
A religião também deveria ser assim, não a escolhermos, e sim sermos escolhidos; por quê?
Cada pessoa tem um determinado entendimento da fé que uma sociedade religiosa pode suprir relegando a segundo plano a exploração financeira, toda religião tem algo a oferecer, porem tais ensinamentos não entram pelo coração, entram pelos ouvidos e são armazenados no ego; escolher uma entidade religiosa é algo que vem de dentro, porque o mundo não sabe do que precisamos, ao escolher uma religião não devemos ouvir pessoas, nem olhar monumentais templos, nem perguntar se esta ou aquela é boa; em verdade não devemos usar os sentidos para escolher quem nos ensinará sobre a fé, devemos usar o sexto sentido, o da intuição, o de agrado inexplicável por aquele lugar independente de iniciativa de culto.
Cultuar a Deus é mais que uma necessidade, é uma obrigação, mas só a correta dedicação, onde só fala o coração é que pode nos dar o crescimento espiritual correto.
Religião foi e continua sendo a pedra fundamental deste mundo; religião é fé, e fé é saber que existe algo além deste plano.

O inferno existe

o-corpo-e-a-morada-do-diabo

Drogas que envenenam o corpo, que sufocam a alma, que adormecem o espírito, necessidade de o inferno do mundo visitar; de tudo conhecer e se enfrentar no que seria a guerra mais violenta contra sua fé, que se tornou nenhuma; é a vontade de se destruir e a todos quanto a si se dedicaram, e neste se entregar tudo vai; desde o corpo bem cuidado, até a cabeça bem feita que com muita alegria cresceu com sã sabedoria se inteirou dos males do veneno das drogas, porem é necessidade da visita ao inferno em vida, é preciso saber o que se é; para poder se entender em outra vida, se não conseguir voltar deste sepulcro em vida ainda nesta existência, é adquirir doenças poderosas que destruirão o corpo sem explicação em existência futura, entender que é um nada, ou a necessidade de saber que é um nada antes de assumir seu tudo, ou antes de descobrir que tem de ser um tudo ao mundo, ao seu mundo, ao mundo dos que a seu lado conviverão, e ao mundo de Deus, para onde todos caminham.
O veneno que destrói também constrói pessoas de boa índole a querer ajudar, corações que sem merecido respeito se dão, corpos que cansados de lutar contra males de outros não se entregam, e na luta acreditam que estão fazendo algo para este alguém; e estão mostrando que mesmo no inferno que vivem; alguém quer ir até lá e tentar lhe dar uma mão para de lá sair, porem as portas deste inferno estão fechadas, ou fresta pequena por onde alguns podem passar, e quando este infernal local se tornar insuportável, o corpo deste já não precisará mais de ajuda, somente dos amigos piedosos que do outro lado estão; e souberam que este bravo guerreiro não venceu a luta que se propôs lutar, não derrotou o inimigo que lhe afrontou através de um “amigo”, e que na curiosidade se entregou para nunca mais ser dono de si.
A desgraça que o encarnado se comprometeu experimentar, que deveria por algum motivo conhecer, quem sabe o poço que cavou vidas e vidas atrás, e que agora foi o momento de experimentar do amargo sabor dos infernos terrestres, de seu inferno interior; é o ser que se entregou porque tinha como missão esta provação, e se não se entregou à senhora de negro por suas próprias mãos, ainda poderá ser salvo numa próxima vez.