DEUS E O DIABO EM NÓS

o-corpo-e-a-morada-do-diabo

Quem pode me governar?
Quem tem poderes sobre mim?
De quem sou digno filho e discípulo?
A quem devo obedecer por estar mais próximo?

Sou o que desejo ser, filho de Deus ou do Diabo, sigo a quem desejo por meu livre arbítrio, por minha vontade que o Criador deu, e sou filho de quem acredito ser, de Deus ou do Diabo.
Agradeço pela vida a quem quero agradecer; na dependência de aceitar quem eu queira como meu único mentor.
Sou assim; filho no desejo de seguir um e não ao outro; defino meu destino, se de amor e gratidão ou de agonia e desgraça pelas coisas que na vida quero.
Faço o que entendo ser sábio a mim, e neste entendimento convivo com as forças que julgo me fazerem bem, e no futuro também estarei colhendo o que plantei no dia de hoje, e com o amor ao Mestre, ao mentor que escolhi; Diabo ou Deus, feliz serei se acreditar ser ele o melhor para mim.
Porém tenho que escolher qual é melhor para o futuro, pois minha índole tem a cara de quem desejo para meu amigo de intimidades.
Este amigo será meu confessor, meu salvador se assim precisar, quem devo então procurar para esta missão, a mim ele se comprometerá; quem me dará guarita se no desespero da vida um dia me encontrar?
Qual dos dois saberá me acolher?
Ensinar-me?
Conduzir-me para a vida eterna?

Tenho o dom do livre arbítrio, que foi dado para meu crescimento, e o Criador não me obriga a segui-lo, não me obriga nem a agradecê-lo por tal; mas tenho que me valer deste direito para entender do porque o tenho, e se não souber deste mecanismo sabiamente usar; terei um dia de responder por isto, terei de pagar.
Seguindo ao Diabo, transgressão de início não farei, pois é meu livre arbítrio, porém se minha índole não lhe comporta como mentor, a minha vida será infeliz de imediato.
Se minha índole o aceitar como amigo do peito tudo poderei ter, até mesmo meu livre arbítrio deturpado por conseguir colocar normas a minhas atitudes, não conseguir parâmetros a conquistas e nem mesmo sentirei que são minhas estas.
Não farei distinção do que é meu ou de outrem, quase sempre invadindo o espaço sagrado de outra pessoa, outro universo; viverei na contramão das sabedorias do mundo, marginalizado pelo que acho correto, mas não é para meu crescimento, porém estarei crescendo também, estarei na precisão de entender do Diabo como meu deus, a necessidade de saber como sua mentalidade é, que passa ser a minha então.
De vislumbrar seus desejos e desígnio que são os meus, entender de seu modo de pensar e agir para benefício próprio sempre, que são meus desejos e benefícios.

E no entender de tudo isto saberei o que é o lado negativo do universo, o lado negro da energia interior que habita em nós.
Se optar por seguir ao Diabo estarei indo de encontro a minha necessidade de aprender muito mais que muitos, e correndo o risco de uma volta por demais demorara para o lado do bem, do amor e humildade principalmente.
Amar ao Diabo é decisão nossa, uma decisão que ninguém consegue nos tirar por conta do livre arbítrio, então há de experimentar até o ponto em que julgar aprendizado compreendido; aí a volta se fará rápida, tal qual o filho pródigo que saiu do lado do pai e se encontrou nas profundezas da vida.
Necessidade de se procurar onde nunca imaginou ter de chegar; o pecado ante a consciência humana encarnada, mas nunca saberemos se é pecado ante Deus por ter admirado um dia o Diabo e suas manhas; evidente é que nunca um amante do Diabo ficou eternamente com ele, simplesmente foi até ele, ou deixou exteriorizar seu lado sombrio para elimina-lo, posto que o Diabo não existe, mas sim o lado negativo que deixamos aflorar por nossa conta, risco e prioridade de algo saber.
A ida aos infernos da existência tem seu porque, coisa que ninguém entende, nem mesmo quem esta viagem fez, mas sabe que voltou de lá muito mais fortalecido. Era um fraco na crença verdadeira, no amor real, na fé ao Criador; Deus, e depois de tal aventura que sempre é de sucesso neste sentido, o de adquiri compreensão da vida que não entendia, do amor que não tinha e da humildade que não cultivava.
Hoje é forte guerreiro que entende muito do inferno humano e pode mais do que ninguém compreender e ajudar quem esta viagem inicia, é o soldado guardião das verdades divinas, que aprendeu se sujando no sangue e no desespero que é a casa do Diabo.

Seguir a Deus é algo que não precisa se dizer se é o correto, pois que todos farão isto um dia, mesmo que ateus sejam hoje, mesmo que não acreditem ser Deus o tudo de todos, temos o livre arbítrio, temos Deus e o Diabo dentro de nós, basta escolher quem queremos exteriorizar; aquele que o fizermos é quem nos governará, nos fará bem e indicará o caminho certo; se aceitarmos o Diabo como nosso leme na vida, tudo será como precisamos de momento, o conhecimento das forças oriundas do baixo astral, de nosso passado.
Se exteriorizarmos a Deus, teremos a conquista do mundo inferior, pois Ele também governa o mundo das trevas para que ninguém seja sugado pela eternidade; deixa que todos quanto queiram visitar estar paragens, pois lhes é necessário, e ao saberem para onde devem se dirigir adotam a Deus como seu mentor eterno.
Aceitar Deus interior como mentor, salvador é ocorrência de todos um dia, onde saberão que é a verdade interior que deve governar, e nossas verdades interiores são sempre sábias, sempre direcionadas para o crescimento, mesmo que tenhamos que ser amantes do Diabo um dia, mas será um só dia, porque precisamos disto.
Porém a vida será de amor ao próximo, de amor à natureza, de amor ao Cristo que está em nós, e de amor a si mesmo como o é a Deus.