O BEM E O MAL DESDE O CRIADOR

1013982_679157705431761_1397203312_n

O bem e o mal coexistem pacificamente se soubermos equilibra-los em nós; porquanto somos feitos através dos dois; da procura pelo certo e da duvida se é o certo; do entendimento do errado, porem vivendo este errado até compreender a lição que nele está inserido.
As possibilidades são eternas a cada nova concepção, a cada novo aprendizado, e se soubermos distingui-los com clareza não sofreremos com suas nuances que não compreendermos.
As verdades estão em nós amadurecendo a cada dia, e nestas mudanças devemos tomar o lugar de aprendiz sempre; pois é uma evolução sem final, a procura do que sempre existiu, mas o Criador não compreendeu, que o momento de se descobrir além do que se é deve continuar pela eternidade.
A cada evolução do ser, novo parâmetro é somado, e a não preparação para nova etapa trará retrocesso; colocando novos carmas a serem desvelados. Estamos rumo a luz e a distração deste caminho coloca atalhos para involução.
A compreensão do indecifrável é exercício não à mente, mas ao espirito, porque encarnados somos por demais limitados a certos meandros da filosofia profunda, do funcionamento de nós quando se fala em horizontes astrais; pois procuramos aqui a iluminação, mas há algo muito mais profundo na existência da alma do que simples pensamentos altruístas e caridade no plano material.
São possibilidades do desvendar a verdade do Criador que só a poucos é possível; saber do porque se fez homem e colocou sobre os próprios ombros a cruz cármica, o sofrimento da carne através do emocional para evoluir; sendo que em nosso entendimento Ele é perfeito e evoluído.
Perguntas audaciosas que não sabemos nem formular, porem devemos pensar e filosofar audaciosamente; não temendo repreensão, mas colocando duvidas tantas quantas necessárias até uma conclusão que nos satisfaça.
E se Deus não era perfeito antes da criação do tempo e espaço, porque se colocou como própria matéria; se subdividindo em infindáveis espíritos com cruzes cármicas?
Sua realidade se supõe não era o que imaginará ser; entendendo que algo mais poderia e deveria saber; ou se sentia falho em algo que deveria desvendar para alcançar a evolução que julgava conveniente a si.
Deus é perfeito em nossa opinião, porem se nosso modo de ver evoluiu com o avanço de nossa particular lucificação; passamos a entender que algo mais existe além do horizonte da verdade sobre o Criador.
Ou seja, de que Ele não poderia evoluir em seu universo sendo perfeito; tendo de descer às esferas por Ele criadas para nestas, através da maturação emocional, procurar as próprias falhas emocionais; e no entendimento gerado e de mais fácil solução, eliminar o que tenha lhe impedido de crescer no universo que sempre existiu.