Meditação e sua utilidade

526771_10150816331614309_791364308_9323675_999549295_n

Quando a boca cala o coração fala, quando a mente não mais pensa Deus se mostra em sensações, é a meditação que não sabemos lidar nem controlar, porem nos mostra como devemos fazer, como devemos ser para com o Pai conversar, e neste diálogo sem palavras, muito podemos expressar, muito mais que nosso vocábulo aprendido desde nascença, é o dialogo do amor universal, a força da mente divina a nos enriquecer sempre que ao silencio verbal nos entregamos, quando do silencio do pensamento nos rendemos, e no absoluto nada de nossa mente o divino mundo então se descortina muitas vezes no escuro das pálpebras, outras vezes em imagens indecifráveis, são nossas perturbações mais profundas a nos atrapalhar nesta deliciosa exploração de nossas verdades mais secretas.
Somos presas de nossas frustrações, e nestas temos dificuldades de avançar para limites além de nosso cotidiano, é nosso lado demônio a não nos deixar explorar o que pode nos ajudar; nossa forma de se garantir em verdades que são só deste mundo, por isto a dificuldade por demais grandiosa de se entregar a viagens interiores, de ir a outros patamares de conhecimento, até mesmo de ver o porquê de nossos erros, pois estes em nós encravados estão para nos impedir o crescimento; assim poderão governar nosso subconsciente por tempo infindável, visto que ninguém além de nós pode neste lugar adentrar, ninguém externo pode nos ajudar; e quem pode nos socorrer que é nosso interior sábio e absolutamente poderoso é inatingível por culpa nossa mesmo.
Somos prisioneiros de nossas vontades de evoluir, porem presos por um passado mal resolvido, por frustração, por magoa e desavença não sanada. Por tudo isto temos de ser mais sinceros conosco no não saber perdoar, no não saber receber uma ofensa e administra-la sem alimenta-la com ódio, porque esta já te ódio suficiente.
Numa viagem a nosso interior temos que ser mais donos de nossos atos passados, para não perder de nossa energia neste mister, para não nos aprofundamos em locais ocultos de nossa mente, onde o temor que não deveria haver, possa nos causar danos emocionais mais perturbadores do que os que estamos muitas vezes tentando sanar com esta investida  experimental,  que é a meditação.
Somos puros; porem viemos para cá; e nesta busca da real verdade, encontramos os desvarios de um ser não perfeito; e nesta procura e medo de não conseguir, não enfrentamos o que não entendemos ou julgamos ser incapaz de solucionar, e tudo aos poucos vai nos apagando como fonte de luz do Pai, vai nos tornando obscurecidos em nossa sabedoria, nos fazendo angariar trauma após trauma por vidas afora, e com o passar de existências e não solução de tais pendencias anteriores, guardamos tudo e dificultamos nosso crescimento; que muitas vezes é possível através de meditação e procura de nossa verdade individual.
O que podemos e devemos fazer é não dar importância ao que passou, porque este só nos incomoda se estivermos emocionalmente agregados a ele, se não conseguirmos nos desvencilhar de tudo e, por conseguinte nos tolhemos de experiências enriquecedoras, nos proibimos do que pode solucionar nossa forma errônea de viver e não crescer.
O não se importar com o passado não é simplesmente ignorar e esquecer, mas não usar de carga emocional desnecessária a estes itens, para que tenha energia vital e divina para em meditação, poder se aprofundar em conhecimentos e verdades que possam no futuro próximo eliminar, tudo quanto foi arrecadado de frustração e maldade mal resolvida, é nossa necessidade este aprendizado, e escola alguma no universo pode nos ajudar, somente nossa “biblioteca” interior riquíssima e sábia a nós.
É quem chamamos de Cristo interior, mentor, que em nós está a ensinar e nos conduzir de maneira sábia para onde devemos esperar; a redenção de todos os pecados do universo e retornarmos ao paraíso, e a vida eterna junto de quem em nós depositou suas verdades.

O trabalho sujo

w000069

Consciência de quem somos do que somos e para que viemos, é o que aprendemos em nossa infância e adolescência, para na adulta idade sabermos o que em nós, em nosso universo e se for do desejo do ser Maior, o que devemos modificar no universo externo.
Somos trabalhadores sempre, na labuta do crescimento individual e coletivo, galgando patamares em nossa espiritualidade ou decrescendo nesta mesma escala que será um dia, muitas encarnações a frente entendido como o declínio para superação de defeitos e falhas sérias humanas ou divinas.
Somos seres em constante ascensão mesmo neste declínio; pois estamos aprendendo as verdades reais das sabedorias divinas, e neste decair entenderemos o que o submundo matéria é, e o que devemos eliminar em nós, pois em dado momento deste declínio, veremos o que nos aterroriza, por mais tenebrosos e negros seres em espiritualidade que possamos ser; nossa visão se aterrorizará de alguma verdade, e se formos duros o suficiente para nada temermos, desceremos mais e mais até encontrarmos nosso próprio carrasco de cobranças, nossas verdades vistas por nós, a visão mais aterradora que qualquer espírito pode vislumbrar; seus próprios erros e falhas, vistas com olhos angelicais que são de nosso espírito, e neste sucumbir de realidades, entendemos que não é assim que se vive neste plano, não é assim que se convive com outros iguais, e emergimos então; prestes a pagar o mais rápido possível estes todos erros, muitas vezes adquirindo cargos importantes, mas com a função de punir os também errados como nós, somos vingativos da verdade, pagamos por estes erros também, porem sabemos que estamos errando e teremos de pagar, porem será uma forma de resgatar também tantos e negros erros do passado, desta forma os grandes monstros da humanidade se fazem vitoriosos por bom tempo, mas caem, não nesta vida, porque não devem sofrer neste período, e sim em outro, onde serão procurados pelas orbes inferiores para estas pagas.
São os monstros que dizimaram muitas vezes parte da humanidade, que tinham este propósito quando de sua nascença, que tinham aval superior para isto, o de colocar em holocausto pessoas que tinham seus carmas comprometidos, que tinham seus futuros carmas amarrados a negros momentos do passado, e deveriam, mesmo sem parecer necessário, passar por terrível sacrifico e até morte.
Quanto aos algozes poderosos, estão cumprindo o combinado quando no fundo do posso do desespero, no real inferno, a promessa de punir carmicamente estes errados, e sua paga seria ver e se sujar com seus sangues, muitos sangues, muitas pessoas, porem será para o beneficio de ambos na visão cármica.
O redimir rapidamente estes criminosos cármicos assim como o carrasco que com permissão divina fez o trabalho sujo do mundo, limpar a divina verdade, e salvaguardar até mesmo estes errantes cármicos, colocando-os o mais rápido entre os anjos a serem redimidos.

Ser feliz

opiuyfkth

Feliz aquele que sabe a que veio, e ao entender de sua missão se coloca a disposição do universo, entende que sua existência é para algum propósito.

Feliz daquele que no apogeu da conquista material se lembra dos que nada conseguiram, e os socorre da forma que deve, e não da maneira que convém.

Feliz de quem se encontra quando em desespero, e não comete desvario momentâneo; não se entrega a insanidade porque sabe que tudo uma hora acaba.

Feliz daquele que consegue ver no próximo sua continuação, porque um dia todos iguais serão novamente.

Feliz daquele que encontrou a sabedoria, e na ignorância não mais prejudicará ninguém; pois que até então estava ignorante deste fato.

Feliz daquele que ama ao próximo, mesmo que este nem lhe saiba da existência; pois tu és um sábio.

Feliz daquele que tem o pão para repartir, este sabe valorizar o que o universo lhe propiciou.

Feliz daquele que não se dá a insultos a sua pessoa; sabe que já superou esta fraqueza.

Feliz daquele que vê o criador quando em orações se entrega, mesmo sabendo que ele não se lhe apresenta em forma física.

Feliz daquele que sabe de sua saúde emocional, e a cuida para não prejudicar sua saúde espiritual.

Feliz daquele que tem visão altruísta; sabe que a vida dura além desta.

Feliz daquele que não se prende a vingança, entende que isto é retrocesso à vida.

Feliz daquele que em sua verdade é fiel, e não desvia de seus propósitos quando os vê como corretos.

Feliz daquele que sabe se manter calado nos momentos de indecisão de outrem, quando este em erro pode cair por desejo próprio.

Ser feliz por estes motivos é ser sábio, é ser coerente, é ser consciente de que tudo no mundo é para nosso crescimento.

A felicidade não é conquista árdua, é simples entrega a emoções puras.

A felicidade é ser simples e correto, ser sincero e cooperador com as orbes superiores que a este plano governa.

Seja feliz sendo você; seja feliz ajudando quando é pedido e fazendo caridade quando vem de seu coração; opinando com verdade e profundidade, indagando quando não entende, e duvidando sempre que lhe parecer incoerente.

Ao amor tudo se pode, e a felicidade é o máximo que este pode dar; ser feliz é amar, mesmo que não seja correspondido pelo mundo; porque o astral lhe amará intensamente.

Talvez

548762_401798233229273_1542317558_n

TUDO QUE TEMOS CONQUISTAMOS; O QUE NÃO TEMOS É PORQUE DEIXAMOS DE MERECER, E O QUE NOS VIRÁ É PORQUE TEMOS DIREITO.
Talvez eu não tenha aceitado o que me foi designado para esta existência, e então sofro por esta recusa em não colocar minhas dividas cármicas em ordem.
Talvez eu tenha maltratado muitos que me amaram no passado, e hoje vivo só, sem amor, sem amigos, sem vida social, se for assim vivo o que plantei no passado; indiferença entre os que amei, ou não os amava e os usei.
Talvez eu tenha andado por estradas erradas, me desviando de minhas verdades, e hoje não me encontro por mais que procure; não me entendo por mais que medite; não me sinto por mais que me ame.
Talvez eu tenha pecado contra Deus, para hoje senti-lo tão longe de mim; sei que ele perdoa, mas envergonhado deveria eu ficar, porem nem isso sei me prostrar, nem este gesto sou sincero em demonstrar.
Talvez tenha desonrado meus pais, os humilhando em publico, e hoje nem família perto consigo manter, nem família minha consigo fazer; errado com certeza eu estaria, então tenho de me conformar em na solidão existir.
Talvez eu tenha negócios escusos feito, trapaceado algum amigo, algum sócio, para que hoje financeiramente minha vida material não ande, simplesmente desanda sempre que conquisto um bem de valor; quem sabe tenha adquirido, não pago corretamente e prejudicado alguém inocente.
Talvez tenha errado com muitos de varias maneiras, e sei que perdão eles podem até me dar, mas meu carma terei de arcar; terei de resgatar mesmo que dure varias vidas, mesmo que me custe muitas existências sem crescimento, e nestas passagens por este sitio o risco de mais erros cometer sei que terei.
Então na fé que de outra vida deve ter vindo, pois se sou tão errado nada de Cristão em mim deveria ter, nada de sábio no sentido de querer resgatar eu deveria manter; e nesta fé acredito que tenha de ser humilde para aos poucos, dentro de minhas possibilidades cármicas ver-me livre de tantas pendências.
Sei que o sofrimento é grande, ser tolhido da sociedade, ser abandonado pela família e não ter às vezes nem o que comer, não é para qualquer ser humano consciente, para quem ama ser feliz no conforto.
Terei então que aprender a aceitar o conforto pouco, a alimentação escassa e as condições de vida e de humilhação sem muito reclamar, aceitar para aos poucos algo conquistar, sou consciente de tudo isto e não ignoro estas verdades, tenho de viver o que mereço por erro do passado, tenho que aprender sofrendo porque só desta forma entendemos as leis divinas.
Encontrar em, mim forças para superar obstáculos sem ter forças para isto, ter de lidar com situações que não entendo por ser além de minha inteligência atual; e vivenciar possibilidades que só se realizarão em fantasias de conformismo.
Orar a Deus vez por outra, na tentativa de a seu coração amolecer e me possibilitar uma chance ainda nesta existência, regrar minhas condutas para ser liberto o quanto antes e saber que se não me for possível é por minha culpa mesmo.
Ao próximo nunca ofender, mesmo que estes me humilhem, eles têm o direito disto fazer, talvez eu os tenha maltratado no passado, eu os tenha feito passar fome enquanto minha mesa farta estava.
Perdoar a todos que em meu caminho passar, saber com quem devo andar, porque neste mundo de desespero em solidão e vida mal vivida temos muita possibilidade de mais afundar por companhias a serem colocadas em nosso caminho para nos testar.
É a vivencia que tenho de passar, crescer se conseguir, e o ideal é que eu o faça, eu mereço pelo que passo, e desta forma me entenderei com um alguém que não sabia nada no passado e hoje na privação terei minha alma burilada para entendimento das cousas do Senhor.
Tudo na lei sábia do Criador, que nos coloca no plano terreno de maneira que vivamos para o crescimento sempre, para que entendamos o que é sacrifico compensador, o que é sabedoria adquirida pelo sofrimento, o que é amar a Deus através do próximo.
Tudo tem de ser compreensão da vida, não da existência una que achamos ter, mas da vida eterna que sempre temos no astral superior, e que tivemos que baixar ao plano matéria para queimar o que somos de errado, e este penar é unicamente para isto, para sanarmos que somos de falhos em nosso intimo de anjo celestial; um erro que só se compreenderá no futuro de a muito a vir.
O mundo então é celeiro de pecados a serem quitados, e eu com minhas muitas falhas morais e até físicas sou comprovação de que tudo que fazemos aqui temos de pagar; que tudo que realizamos de maldade em outro nos é impingido ao corpo na encarnação seguinte, tudo na infalível lei do carma que Deus criou.
Sei que tenho poderes para tudo realizar, eles estão em meu intimo, mas compreendo que não posso ter acesso a eles por culpa minha, por ter falhado no passado e hoje toda a competência no trabalho, a sociabilidade e carinho que me são inerentes de vida anterior, não são permitidas por ter feito algumas maldades numa determinada passagem.
Esta não é a vida que pedi a Deus, porem é a vida que mereço, é o que fiz e agora estou tendo de vivenciar, é o momento de repensar coisas que até nem lembramos, de tentar avaliar se nossas atitudes de hoje são corretas para o futuro que queremos.
Se tudo que desejamos conquistaremos da maneira que levamos nossa atual existência, se entenderemos no futuro os erros deste presente, se nos será permitido adquirir o que perdemos de mais sublime no futuro baseado em atitudes atuais; é a interrogação que me atormenta a cada dia, a cada momento que reclamo da vida; que lanço impropérios até mesmo contra Deus, e que sei do fundo de meu coração que ele não fez nada para me trazer a esta vida sub-humana, fui eu mesmo que fiz tudo isto.

A vinha do Senhor

videira

Na vinha do senhor, muitos são chamados a trabalhar, alguns ao raiar do dia, outros ao meio dia e um ultimo grupo no final do trabalho, todos tem a mesma tarefa, mesmos deveres e obrigações, não importando qual momento do dia passou a integrar a labuta, é a mesma paga, o mesmo valor e a mesma moeda, porem uns trabalham mais e outros menos.
É a regra do senhor, todos em carga horária diferente porem o mesmo valor; prazer de quem serve a este bondoso senhor em sua missão de ajudar aos necessitados.
O desejo deste Senhor que uns tenham mais tempo de trabalho enquanto outros se preparam durante o dia para só exercer esta labuta no final.
Tomemos então o dia como nossa vida, nossa existência neste plano, muitos assumem suas obrigações espirituais logo no inicio, em sua infância, e por toda a vida pregam o que lhes é incumbido, a palavra, os bens e a felicidade que é ser trabalhador do Senhor nesta vinha.
O segundo grupo, mais tempo de aprendizado, de burilamento para se prepararem para assumir suas funções na vinha, na vida, em sua existência, para que possam; da mesma forma que o grupo anterior levar a paz do Mestre aos seres, sem preconceitos, sem procurar vantagens, apenas o desejo muito bem recompensado de servir ao Senhor da vinha.
O terceiro grupo toma sua labuta já no final do dia, muitos anos de vida, de existência tiveram todos para o aprendizado necessário a sua função, que mesmo sendo a mesma de outros dois grupos, foi necessário mais preparo, por ser algo importante, uma carga horária menos extensa, porem mais puxada, mais exaustiva, embora paga seja a mesma.
Este ultimo grupo teve de vivenciar este plano antes de assumir suas funções de ajudar, tem de sofrer, ser burilado e entender de maneira mais rude como é este plano, para que ao assumir sua função, após demostrar ao Senhor que era capaz de suportar o exaustivo trabalho que lhe será incumbido
Entrara então em contato com as forças do mundo invisível, conhecidas já pelos grupos anteriores, e através deste conhecimento saberá muito além do que poderia imaginar no inicio de tudo, vivenciará a verdade divina com clareza absoluta e pregara suas verdades com autoridade, pois que foi burilado, sofrido o suficiente para entender mais que qualquer outro.
Ao final do dia a paga é a mesma, todos executaram a mesma função, encaminharam seres menos conscientes de suas verdades, mostraram de forma clara os desejos do além, de Deus, colheram os frutos do Senhor da vinha para engrandecê-lo; e nesta atitude Este ficou mais rico, mais poderoso espiritualmente.
Os grupos embora tenham sido preparados de forma diferente na existência; no dia que decorreu; executaram a mesma função, sendo para uns a carga mais pesada por serem poucas horas do dia, e para outros um trabalho menos estafante por serem muitas horas assumidas, não conhecerem verdades mundanas como dos grupos do meio dia e principalmente do fim da tarde.
Todos executaram suas tarefas a contento de acordo com o Mestre, com Deus, com o Senhor da vinha e a recompensa é a sabedoria eterna, a vivencia sem ter mais que se esquecer de seus passados em outras encarnações; a sabedoria que se faz presente o tempo todo no futuro, a energia além-vida que se estende para sempre sobre suas verdades e apelos que possam desde então solicitar serão atendidos, saberão o que é possível e o pouco provável.
Terão a verdade divina nas mãos, e saberão que isto é por demais importantes para ser desperdiçada ou renegada.

Discriminação religiosa

250-biblia

O homem tem o direto de não aceitar Deus, Cristo, Oxalá, Buda, Krishina, Jeová ou outro mestre de qualquer religião, seu livre arbítrio lhe permite fazer tudo isto, porem não lhe dá o direito de discriminar quem frequente ou acredite nestes lideres espirituais, pois mesmo um ateu pode ser mais seguidor dos ensinamentos do Pai maior do que o avido seguidor que sem dosar maneiras, prega o que aprendeu sem ao menos entender, não se importando com a existência de outros que não concordam com sua maneira de pensar, e não exatamente com a maneira de seu deus se expressar.

O maior dos ateus da historia; Einstein provou pela física que Deus existe, na frase, “Não acredito na existência de Deus, porem acredito que exista uma força fantástica a movimentar todo este universo”.

Sendo ele ateu provou ser Deus uma força imanente a todo o universo, a todos os seres de todos os reinos, animal vegetal e mineral, não deixando possibilidade de confrontamento em sua colocação, porem fanáticos pregam que “seu Deus” é melhor que de outros, que sua liturgia e ensinamentos são mais perfeitos que de outras congregações, dogmas, religiões; não permitindo que o acusado possa defender sua posição, nem ao menos se colocar nas observações.

Estes que em sua forma imposta de seu Deus ser superior, tenta convencer a si mesmo desta verdade, pois quem tem certeza de algo se cala quando é confrontado de maneira incisa se cala, pois sabe que a pessoa exaltada já está saindo de sua maneira sábia de conversar, e perdendo o poder da situação e de seus conhecimentos que são escassos neste assunto.

É a verdade que os pregadores inseguros de seus conhecimentos usam como subterfugio, não conseguindo manter o dialogo que está lhe fugindo ao controle, fugindo ao conhecimento e lhe fugindo a sanidade de filho de Deus que é seguro naquilo que o ensinou.

O exaltado pregador não vê possibilidades do que sabe; não aceita possíveis suposições; porque não saberia digerir nova informação, não compreenderia onde ficariam seus conhecimentos e aceitar algo novo.

Tudo porque não foi ele que aprendeu tudo que sabe; foram-lhe ditas e impostas todas as informações, e ainda a vingança de Deus sobre quem duvidar de suas palavras, é a lei do que não entende de Deus com profundidade, porem se entrega a falar dele sem crer que o erro está em seu mestre encarnado; e não na pessoa que a sua frente tenha algo a dizer.